Exposições  Fotográficas

 

2019

Entre o Mato e a Roça (Água Izé – São Tomé e Príncipe)

VII Bienal de Arte e Cultura de São Tomé e Príncipe

 

2018

Entre o Mato e a Roça (Vila Franca de Xira – Portugal)

Museu do Neo-realismo

 

2018

O Mediterrâneo Somos Nós (Lisboa – Portugal)

Parque 1 Maio - FUNDAÇÃO INATEL.

 

2018

O Mediterrâneo Somos Nós (Madeira – Portugal)

Galeria de Arte Francisco Franco - FUNDAÇÃO INATEL.

 

2017

Entre o Mato e a Roça (Lisboa – Portugal)

Instituto Universitário de Lisboa ISCTE-IUL

 

2016

Meeiros do Cacau (Recife - Brasil)

Galeria Waldemar Valente - Fundação Joaquim Nabuco/FUNDAJ.

 

2016

Meeiros do Cacau (João Pessoa - Brasil)

Galeria de Arte Lavandeira

 

2015

Poéticas visuais sobre o Homem Natural (Havana – Cuba)

Centro de Estudos Martianos

 

2012

Bom Pastor (Recife – Brasil)

Galeria Baobá - Fundação Joaquim Nabuco/FUNDAJ.

 

2011

Coco do Amaro Branco – Retratos (Recife – Brasil)

O Museu da Abolição, MAB/Ibram/MinC

 

 

 

 
8596d960ffc04085f47df9b9737a07ae14640396
450
6604ec88929552e6a1e9c51a85a7be2714640396
4317eadabef4745c84b9c9c2360f574214640396
666b843054991ea2e233e48a3b8e3d9914640396
6b9c9bca3bfc821c0424188d55c27a9514640396
1da594633088d92ec55cd164864d0bad14640396
2d9f0aefa2268693fe1f5e8d5622b27514640396
1ba48111dd047b0f7a793c9ae5575ce414640396
Meeiros-do-Cacau_Emiliano-Dantas_Rede-So

Exposição fotográfica na Galeria Waldemar Valente,

na Fundação Joaquim Nabuco/FUNDAJ, em 2016. 

Texto da exposição 

As fotografias aqui interagem com documentos, ferramentas e fragmentos, juntos compõe um trabalho iniciado em 2009, uma etnografia, nas fazendas de cacau do sul da Bahia.  As propriedades retratadas passam por tempos de crise, abandono e falta de políticas públicas adequadas. Mas resistem dentro delas os antigos empregados que agora se intitulam Meeiros, uma categoria nativa, caracterizada por uma parceria agrícola com o dono da fazenda.

O sul da Bahia onde estão os Meeiros foi marcado pelas ficções em torno das riquezas vindas do cacau. As representações dessa região durante o século XX, sempre mostraram de um lado o coronel com suas riquezas e do outro o trabalhador realizando a mão-de-obra dentro da roça. Por isso, se optou em não mostrar os Meeiro no labor, pois, na pesquisa de campo, eles demonstraram que estão livres dos trabalhos excessivos, da exploração do patrão, atualmente podem ser donos do seu tempo, fazem as atividades que querem, vivem como desejam, possuem autonomia para moldar seu corpos no tempo da roça, da natureza e das suas agências.

  A pesquisa antropológica foi um encontro com as diferenças, com o Outro, com a possibilidade de me encontrar. Aprendi com eles a respeitar seus hábitos, seu tempo, seus códigos e suas opções. Rendo graças às práticas advindas dos Meeiros, à vida livre na roça, ao contato estreito com a mata e à autonomia de ser dono do tempo e do corpo.

Emiliano Dantas

Fotógrafo e Antropólogo 

MEEIROS_DO_CACAU_Lettering-03__1_.jpg.jp
 

Exposição de fotografias gigantes, com 2x3M, no Instituto Universitário de Lisboa/ISCTE, durante o Dia da Antropologia, em 2017. 

IMGP5795
IMGP5818
IMGP5828
IMGP5826
expo.png
 
20071010152819281527.jpg

Exposição de fotografias no Museu do Neo-realismo, em Vila Franca de Xira, em 2018.

Texto da exposição

Entre o Mato e a Roça é um nome que alude a um não lugar, um fluxo de transformações e de trocas.

O Mato são as plantas rebeldes que crescem de forma agreste, aquelas que nascem e desafiam a mão humana que tenta destruir a floresta. O Mato é misturado, é orgânico, sua definição não é precisa, nem mesmo uma categoria que se possa esgotar.

A Roça é a estrutura socioeconómica criada para se sobrepor à floresta tropical, com o objetivo de dominar. É o símbolo da construção humana, da cultura que promove a civilização.

Na lógica dualista da floresta como oposto à civilização, o Mato é, justamente, o primeiro sinal de que a natureza não é passiva. O Mato vem primeiro, cresce em qualquer fissura de cimento, pelas paredes, nos telhados e nos lugares mais inacreditáveis.

O Mato serve, neste trabalho, para orientar a visão para a floresta, que foi e está sendo destruída, para a vida que renasce em cima do betão, ou mesmo para tensionar a visão ocidental, dualista, que insiste em distinguir natureza e cultura.

Entre o Mato e a Roça é uma interpretação poética através de fotografias da realidade em mutação, no seu contínuo, no seu movimento de coexistir, de partes que se completam.

Panorama_Sem_Título3
IMGP7881
IMGP7893
IMGP7911
IMGP7882
IMGP7892
IMGP7957
IMGP7926
IMGP8205
expo.png
 
expo.png

Exposição de fotografias na VIII Bienal de Arte e Cultura de São Tomé, na Roça Água e Izé, no espaço Fábrica das Artes Ambientais e Cidadania Ativa/FACA, em 2019.  

IMGP1596
IMGP1624
IMGP1633
entre o mato_Emiliano-Dantas_Rede-Social
 
logo_IBRAM.png

Exposição de fotografias no Museu da Abolição, em 2011, intitulada Retratos, sobre os mestres cocoquistas do Bairro do Amaro Branco de Olinda. O coco é uma dança, uma música, um ritmo, transmitido de geração em geração.

IMG_0002
IMG_0008
IMG_0003
IMG_0021
IMG_0025
IMG_0033
IMG_4879
Fotos_Emiliano_Dantas_exposição_02

Exposição sobre o Coco do Amaro Branco, em 2012, junto com o artista Caju. As fotografias foram transformadas em stencil para serem expostas nas paredes do Beco do Pneu, no Amaro Branco, em Olinda

IMG_1820
IMG_7004
Dona motinha 01
IMG_6976
IMG_1977
IMG_7001
047
IMG_7075
IMG_7019
072
IMG_7162
055
IMG_7124
IMG_4936
IMG_7098
IMG_1900
IMG_7122
IMG_7015
 

Exposição na Galeria Baobá da Fundação Joaquim Nabuco/FUNDAJ, em 2011. Trabalho de pesquisa visual realizado durante o projeto Museu Múltiplo.

IMG_9468
IMG_9447
IMG_9434
IMG_9455
IMG_9423
IMG_9457
 

O Mediterrâneo somos nós

A instalação audiovisual “O Mediterrâneo Somos Nós” pretendeu, através do recurso a meios audiovisuais (vídeo, som e fotografia), entender a identidade e a diversidade do Mediterrâneo e situar Lisboa como a casa de muitos ‘mediterrâneos'. Usando uma metodologia de trabalho inspirada na antropologia visual e do som, foram realizadas entrevistas a 12 pessoas oriundas de países da orla do Mediterrâneo residentes em Lisboa e arredores de Lisboa. As entrevistas foram registradas em vídeo em duas línguas: a sua língua materna e português (ou inglês). Nas sessões de entrevista essas pessoas foram também gravadas em áudio dizendo uma mesma frase na sua língua materna e fotografadas com um objeto que reportasse para o seu país de origem. Com este material foi realizado um filme intitulado O Mediterrâneo somos nós (46’, legendagem em português, francês e inglês), uma peça sonora para 8 canais intitulada Vozes, sons e música da orla do mediterrâneo e uma exposição de fotografia intitulada Fotografias, corpos e objetos (14 fotografias P/B de grande dimensão).

Instalação Audiovisual no Parque de Jogos do INATEL

Imagem1.png
Imagem2.png